Ajuste de desempenho do Office 365 usando linhas de base e histórico de desempenho

Há maneiras simples para verificar o desempenho da conexão entre o Office 365 e sua empresa que permitirão que você estabeleça uma linha de base aproximada de sua conectividade. Conhecer o histórico de desempenho de suas conexões de computador cliente pode ajudar a detectar mais cedo problemas que estão surgindo, identificar e prever problemas.

Se você não está acostumado a trabalhar em questões de desempenho, este artigo foi criado para ajudá-lo a considerar algumas perguntas comuns, por exemplo: como você sabe que o problema que está vendo é um problema de desempenho e não um incidente de serviço do Office 365? Como você pode planejar um bom desempenho a longo prazo? Como você pode ficar atento ao desempenho? Se o desempenho de sua equipe ou de seus clientes estiver lento durante a utilização do Office 365 e se quiser saber mais sobre alguma dessas questões, este é o artigo certo para você.

Importante : Há algum problema de desempenho entre o seu cliente e o Office 365 no momento? Siga essas etapas destacadas no Plano de solução de problemas de desempenho do Office 365.

Há algo que você precisa saber sobre o desempenho do Office 365

O Office 365 está localizado em uma rede dedicada de alta capacidade da Microsoft que é constantemente monitorada não só por automação, mas por pessoas reais. Parte da função de manter a nuvem do Office 365 é o ajuste e a simplificação do desempenho onde for possível. Como os clientes da nuvem do Office 365 precisam se conectar pela Internet, há um esforço contínuo de também ajustar o desempenho dos serviços do Office 365. As melhorias de desempenho nunca param na nuvem e há muita experiência acumulada em manter a nuvem íntegra e rápida. Caso você detecte um problema de desempenho ao se conectar do seu local ao Office 365, é melhor não começar ou aguardar por um caso de Suporte. Em vez disso, você deve começar a investigar o problema de “dentro para fora”. Ou seja, comece dentro de sua rede e continue até chegar no Office 365. Antes de abrir um caso com o Suporte do Office 365, você pode coletar dados e adotar ações que explorem e talvez resolvam o seu problema.

Importante : Lembre-se do planejamento de capacidade e dos limites no Office 365. Essas informações colocarão você em vantagem ao tentar resolver um problema de desempenho. Aqui está um link para a Descrição de Serviço da Plataforma Office 365. Esse é um hub central, e todos os serviços oferecidos pelo Office 365 têm um link que leva às suas próprias Descrições de Serviço a partir do hub. Isso significa que, se precisar ver os limites padrão do SharePoint Online, por exemplo, você deverá clicar em Descrição do Serviço do SharePoint Online e localizar sua seção de Limites do SharePoint Online.

Comece a solucionar seus problemas sabendo que o desempenho é uma escala móvel; não se trata de atingir um valor idealizado e mantê-lo permanentemente (se você acredita nisso, então tarefas ocasionais de alta largura de banda, como a conexão de um grande número de usuários ou a execução de migrações de dados muito grandes, serão bastante desgastantes, portanto, planeje os impactos no desempenho). Você pode, e deve, ter uma ideia das suas metas de desempenho, mas muitas variáveis afetam o desempenho e, portanto, o desempenho varia. Essa é a natureza do desempenho.

A solução de problemas de desempenho não diz respeito a atingir metas específicas e a manter esses números indefinidamente; trata-se de melhorar as atividades existentes, dadas todas as variáveis.

Como identificar um problema de desempenho?

Primeiro, você precisa ter certeza de que o que está ocorrendo é realmente um problema de desempenho, e não um incidente de serviço. Um problema de desempenho é diferente de um incidente de serviço no Office 365. Veja como diferenciá-los.

Se estiver ocorrendo algum problema com o serviço do Office 365, há um incidente de serviço. Você verá ícones vermelhos ou amarelos em Integridade atual no centro de administração do Office 365, você também poderá observar um desempenho lento em computadores clientes que estejam se conectando ao Office 365. Por exemplo, se a Integridade atual relatar um ícone vermelho e se for exibido Investigando ao lado do Exchange, talvez você também receba muitas chamadas de pessoas em sua organização reclamando de que as caixas de correio de cliente que usam o Exchange Online estão com um desempenho ruim. Nesse caso, é razoável supor que o desempenho do Exchange Online simplesmente tornou-se uma vítima de problemas dentro do Serviço.

O painel de Integridade do Office 365 com todas as cargas de trabalho em verde, com exceção do Exchange, que mostra Serviço Restaurado.

Neste ponto, você, o administrador do Office 365, deverá verificar com frequência a Integridade atual e depois Exibir detalhes e histórico para manter-se atualizado em relação à manutenção que executamos no sistema. O painel Integridade atual foi criado para atualizar você sobre alterações e problemas no serviço. As anotações e as explicações gravadas no histórico de integridade, de administrador para administrador, existem para medir seu impacto e para manter você atualizado sobre o trabalho em andamento.

Uma imagem do painel de integridade do Office 365 explicando que o serviço do Exchange Online foi restaurado e o por quê.

Um problema de desempenho não é um incidente de serviço, embora incidentes possam causar lentidão no desempenho. Um problema de desempenho tem esta aparência:

  • Um problema de desempenho ocorrerá, não importando o que a Integridade atual do Centro de administração do Office 365 esteja relatando para o serviço.

  • Um comportamento que costumava ser relativamente simples demora muito tempo para ser concluído ou nunca é concluído.

  • Você também pode replicar o problema ou, pelo menos, saber que ele acontecerá se realizar a série correta de etapas.

  • Se o problema for intermitente, ainda há um padrão; por exemplo, você sabe que, por volta das 10:00, receberá chamadas de usuários que não conseguem acessar o Office 365 de forma confiável e que as chamadas diminuirão até o meio-dia.

Isso provavelmente parece familiar; talvez muito familiar. Depois que você souber que é um problema de desempenho, a perguntar será "O que fazer em seguida?" O restante deste artigo ajudará você a determinar exatamente isso.

Como definir e testar o problema de desempenho

Muitas vezes, os problemas de desempenho surgem ao longo do tempo; portanto, pode ser complicado definir o problema real. Você precisa criar uma boa descrição do problema, ter uma boa ideia do contexto da questão e gerar etapas de teste replicáveis para alcançar o objetivo. Caso contrário, mesmo sem ser culpa sua, talvez você se perca. Por quê? Bem, aqui estão alguns exemplos de descrições de problemas que não oferecem informações suficientes:

  • Alternar da minha Caixa de Entrada para o meu Calendário costumava ser algo rápido e agora demora o tempo de ir tomar um café. Você pode fazer com que isso volte a ser como era antes?

  • O carregamento dos meus arquivos para o SharePoint Online está demorando uma eternidade. Por que é lento à tarde, mas é rápido em qualquer outro período? Ele não pode ser rápido sempre?

Há diversos grandes desafios impostos pelas descrições de problemas acima. Especificamente, há muitas ambiguidades com que devemos lidar, por exemplo:

  • Não fica claro como a alternância entre a Caixa de Entrada e o Calendário costumava ser no laptop.

  • Quando o usuário diz “Ele não pode ser rápido sempre”, o que significa "rápido"?

  • Quanto tempo é "uma eternidade"? Isso significa vários segundos, ou minutos ou poderia ser terminar dez minutos depois de o usuário voltar do almoço?

Tudo isso não considera que o administrador e o solucionador de problemas não conseguem obter vários detalhes de descrições de problema como essas. Por exemplo, quando o problema começou a acontecer; se o usuário trabalha de casa e só percebe a alternância lenta em uma rede doméstica; se o usuário deve executar vários outros aplicativos de uso intensivo de RAM no cliente local ou se o usuário está executando um sistema operacional mais antigo ou se não executou atualizações recentes.

Quando os usuários relatam um problema de desempenho, há muitas informações para coletar. A coleta dessas informações faz parte de um processo chamado escopo do problema ou investigação. A seguir, há uma lista de escopo básica, que você pode usar para coletar informações sobre o seu problema de desempenho. Essa lista não está completa, mas é um lugar para começar sua própria lista:

  • Em qual data ocorreu o problema e em torno de que horário do dia ou da noite?

  • Que tipo de computador cliente você estava usando e como ele se conecta à rede corporativa (VPN, com fio, sem fio)?

  • Você estava trabalhando remotamente ou estava no escritório?

  • Você testou as mesmas ações em outro computador e observou o mesmo comportamento?

  • Siga as etapas que estão gerando o problema para poder escrever as ações tomadas.

  • Quantos segundos ou minutos dura o desempenho lento?

  • Qual a sua localização no mundo?

Algumas dessas perguntas são mais óbvias do que outras. A maioria das pessoas compreenderá que um solucionador de problemas precisa das etapas exatas para reproduzir o problema. Por fim, existe alguma outra forma de registrar o que está errado e de testar se o problema foi solucionado? Há perguntas menos óbvias, como “Em que data e a que horas você viu o problema?” e “Qual a sua localização no mundo?”, informações que podem ser usadas em conjunto. Dependendo do momento em que o usuário estava trabalhando, algumas horas de diferença podem significar que a manutenção já está em andamento em partes da rede da sua empresa. Se, por exemplo, sua empresa tiver uma implementação híbrida, como uma Pesquisa do SharePoint híbrida, que pode consultar índices de pesquisa no SharePoint Online e em uma instância local do SharePoint Server 2013, as atualizações podem estar em andamento no farm local. Se sua empresa inteira estiver na nuvem, a manutenção do sistema poderá incluir a adição ou a remoção de hardware de rede, a distribuição de atualizações em toda a empresa ou alterações no DNS ou em outra infraestrutura fundamental.

Quando estiver solucionando problemas de desempenho, assim como acontece em uma cena de crime, você deverá ser preciso e observador para tirar qualquer conclusão das evidências. Para isso, será preciso ter uma boa descrição do problema para reunir as evidências. Ela deve incluir o contexto do computador, o contexto do usuário, quando o problema começou e as etapas exatas que expuseram o problema de desempenho. Essa descrição do problema deve estar, e permanecer, na primeira página de suas anotações. Ao examinar a descrição do problema novamente depois de trabalhar na resolução, você estará seguindo as etapas para testar e provar se as ações adotadas resolveram o problema. Isso é fundamental para saber quando seu trabalho estará concluído.

Você sabe como era o desempenho quando estava bom?

Se você estiver sem sorte, ninguém saberá. Ninguém tinha os números. Isso significa que ninguém pode responder à pergunta simples "Quantos segundos eu demorava para abrir uma Caixa de Entrada no Office 365?" ou "Quanto tempo demorava uma reunião do Lync Online entre os Executivos?", que é um cenário comum para várias empresas.

O que está faltando aqui é uma linha de base de desempenho.

As linhas de base fornecem um contexto para o seu desempenho. Você deve ter uma linha de base de forma ocasional ou frequente, dependendo das necessidades da sua empresa. Se você estiver em uma empresa maior, é possível que sua equipe de Operações já tenha linhas de base para seu ambiente local. Por exemplo, se você instalar um patch em todos os servidores Exchange na primeira segunda-feira do mês e em todos os seus servidores do SharePoint na terceira segunda-feira, sua equipe de Operações provavelmente tem uma lista de tarefas e de cenários executados após a aplicação dos patches, para verificar se as funções críticas estão funcionando. Por exemplo, abrir a Caixa de Entrada, clicar em Enviar/Receber e verificar se as pastas estão atualizadas ou, no SharePoint, navegar pela página principal do site, ir para a página Pesquisar empresarial e fazer uma pesquisa que retorna resultados.

Se os aplicativos estiverem no Office 365, algumas das linhas de base mais fundamentais que você pode realizar medirão o tempo (em milissegundos) de um computador cliente em sua rede para um ponto de saída ou o ponto onde você sai da sua rede e acessa o Office 365. Estas são algumas linhas de base úteis que você pode investigar e registrar:

  • Identifique os dispositivos entre seu computador cliente e seu ponto de saída, por exemplo, seu servidor proxy.

    • Você precisa conhecer seus dispositivos, para que você tenha contexto (endereços IP, o tipo de dispositivo etc) para futuros problemas de desempenho.

    • Os servidores proxy são pontos comuns de saída, para que você possa verificar seu navegador da Web para ver qual servidor proxy está definido para uso, se houver.

    • Existem ferramentas de terceiros que podem descobrir e mapear sua rede, mas a maneira mais segura de conhecer seus dispositivos é pedir a um membro de sua equipe de rede.

  • Identifique seu ISP (provedor de serviço de Internet), anote suas informações de contato e pergunte quantos circuitos e quanta largura de banda você tem.

  • Dentro de sua empresa, identifique recursos para os dispositivos entre o cliente e o ponto de saída ou identifique um contato de emergência para conversar sobre os problemas de rede.

Estas são algumas linhas de base que testes simples com ferramentas poderão calcular para você:

  • Tempo do computador cliente para o seu ponto de saída em milissegundos

  • Tempo do seu ponto de saída para o Office 365 em milissegundos

  • Localização no mundo do servidor que resolve as URLs para o Office 365 quando você navega

  • A velocidade de resolução DNS do seu ISP em milissegundos, inconsistências na chegada de pacotes (variação de rede), tempos de upload e de download em milissegundos

Se você estiver familiarizado com a forma de executar estas etapas, entraremos em mais detalhes neste artigo.

O que é uma linha de base?

Você verá o impacto quando ela ficar ruim, mas se não conhecer seus dados de desempenho históricos, não será possível ter um contexto para saber qual é a gravidade e quando ela ficou ruim. Portanto, sem uma linha de base, você não tem a principal pista para solucionar o quebra-cabeças: a imagem na caixa do quebra-cabeças. Na solução de problemas de desempenho, você precisa de um ponto de comparação. As linhas de base de desempenho simples não são difíceis de obter. Sua equipe de Operações pode ser encarregada de realizá-las de acordo com um cronograma. Por exemplo, digamos que sua conexão se pareça com esta:

Um elemento gráfico básico de rede mostrando cliente, proxy e nuvem do Office 365.

Isso significa que você já verificou com sua equipe de rede e que descobriu que sua empresa acessa a Internet por meio de um servidor proxy e que o proxy lida com todas as solicitações que seu computador cliente envia para a nuvem. Nesse caso, você deve desenhar uma versão simplificada de sua conexão que liste todos os dispositivos intermediários. Agora, insira as ferramentas que você pode usar para testar o desempenho entre o cliente, o ponto de saída (onde você sai da sua rede para a Internet) e a nuvem do Office 365.

Rede básica com cliente, proxy e nuvem, e sugestões de ferramentas PSPing, TraceTCP e rastreamentos de rede.

As opções são listadas como Simples e Avançado por causa do nível de experiência necessária para localizar os dados de desempenho. Um rastreamento de rede levará muito tempo em comparação à execução de ferramentas de linha de comando, como PsPing e TraceTCP. Essas duas ferramentas de linha de comando foram escolhidas porque não usam pacotes ICMP, que serão bloqueados pelo Office 365, e porque mostram o tempo em milissegundos que demora para deixar o computador cliente ou o servidor proxy (se você tiver acesso) e chegar ao Office 365. Cada salto individual de um computador para outro terminará com um valor de tempo e isso é um ótimo recurso para linhas de base! Igualmente importante, essas ferramentas de linha de comando permitem que você adicione um número de porta ao comando e isso será útil porque o Office 365 se comunica por meio da porta 443, que é a porta usada pelo SSL e o TLS (Secure Sockets Layer e Transport Layer Security). No entanto, outras ferramentas de terceiros podem ser soluções melhores para sua situação. A Microsoft não dá suporte a todas essas ferramentas e se, por algum motivo, você não conseguir fazer o PsPing e o TraceTCP funcionar, mude para uma ferramenta de rastreamento de rede como o Netmon.

Você pode obter uma linha de base antes do horário comercial, novamente durante o uso pesado e depois outra vez após o expediente. Isso significa que, no final, você poderá ter uma estrutura de pastas um pouco parecida com esta:

Gráfico propondo uma maneira de organizar seus dados de desempenho em pastas.

Você também deve escolher uma convenção de nomenclatura para seus arquivos. Veja alguns exemplos:

  • 09_Fev_2015_9:00_LinhaDeBaseDesemp_Netmon_ClienteParaSaída_Normal

  • 10_Jan_2015_15:00_LinhaDeBaseDesemp_PsPing_ClienteParaO365_ignorarProxy_LENTO

  • 08_Fev_2015_14:00_LinhaDeBaseDesemp_DesempRUIM

  • 08_Fev_2015_08:30_LinhaDeBaseDesemp_DesempBom

Existem várias maneiras de fazer isso, mas usar o formato <dateTime><what's happening in the test> é um bom início. Ficar atento a isso ajudará muito quando você estiver tentando solucionar problemas mais tarde. Mais tarde, você poderá dizer "Fiz dois rastreamentos em 8 de fevereiro, um mostrou bom desempenho e outro mostrou um desempenho ruim e, portanto, podemos compará-los". Isso é extremamente útil para a solução de problemas.

Você precisa ter uma maneira organizada de manter suas linhas de base históricas. Neste exemplo, os métodos simples produziram três saídas de linha de comando e os resultados foram coletados como capturas de tela, mas talvez você tenha arquivos de captura de rede em vez delas. Use o método mais adequado para você. Armazene suas linhas de base históricas e as consulte em pontos onde notar alterações no comportamento dos serviços online.

Por que coletar dados de desempenho durante um piloto?

Não há nenhuma hora melhor para começar a criar as linhas de base do que durante um piloto do serviço do Office 365. Seu escritório pode ter milhares de usuários, centenas de milhares, ou pode ter cinco, mas até mesmo com um pequeno número de usuários você poderá executar testes para medir flutuações no desempenho. No caso de uma empresa de grande porte, uma amostra representativa de centenas de usuários do piloto do Office 365 pode ser projetada para milhares, de forma que você saiba onde os problemas poderão surgir antes de acontecerem.

No caso de uma empresa de pequeno porte, onde a conexão significa que todos os usuários vão trabalhar ao mesmo tempo e não há piloto, mantenha medidas de desempenho de forma a ter dados para mostrar a qualquer um que tenha que solucionar problemas de uma operação com desempenho ruim. Por exemplo, se você perceber que subitamente, o tempo de carregamento de um elemento gráfico médio permite que você dê uma volta pelo edifício, quando antes era muito rápido.

Como coletar linhas de base

Para todos os planos de solução de problemas, é necessário identificar no mínimo isto:

  • O computador cliente que você está usando (o tipo de computador ou dispositivo, um endereço IP e as ações que causaram o problema)

  • Onde o computador cliente está localizado no mundo (por exemplo, se esse usuário está em uma rede VPN, trabalhando remotamente ou na intranet da empresa)

  • O ponto de saída que o computador cliente usa da sua rede (o ponto no qual o tráfego deixa sua empresa para um ISP ou para a Internet)

Você pode descobrir o layout de sua rede perguntando ao administrador de rede. Se você estiver em uma rede pequena, examine os dispositivos conectados à Internet e chame seu ISP se tiver dúvidas sobre o layout. Crie um gráfico do layout final para sua referência.

Esta seção é dividida em métodos e ferramentas de linha de comando simples e opções de ferramentas mais avançadas. Abordaremos os métodos simples primeiro. Mas se você tiver um problema de desempenho agora, deverá pular para os métodos avançados e experimentar o plano de ação de solução de problemas de desempenho de exemplo.

Métodos simples

O objetivo desses métodos simples é aprender a obter, a compreender e a armazenar adequadamente linhas de base de desempenho simples ao longo do tempo, de forma que você seja informado sobre o desempenho do Office 365. Este é o diagrama muito simples, como visto anteriormente:

Rede básica com cliente, proxy e nuvem, e sugestões de ferramentas PSPing, TraceTCP e rastreamentos de rede.

Observações : 

  • O TraceTCP está incluído nesta captura de tela porque é uma ferramenta útil para mostrar, em milissegundos, a duração do processamento de uma solicitação e por quantos saltos de rede ou conexões de um computador para o outro a solicitação passa para atingir um destino. O TraceTCP também pode fornecer os nomes dos servidores usados durante saltos, o que pode ser útil para um solucionador de problemas do Microsoft Office 365 no Suporte.

  • Os comandos do TraceTCP podem ser muito simples, como:

  • tracetcp.exe outlook.office365.com:443

  • Lembre-se de incluir o número da porta no comando!

  • O TraceTCP é um download gratuito, mas se baseia no Wincap. O Wincap é uma ferramenta que também é usada e instalada pelo Netmon. Também usamos o Netmon na seção de métodos avançados.

Se você tiver vários escritórios, também precisará manter um conjunto de dados de um cliente em cada um desses locais. Este teste mede a latência que, neste caso, é um valor numérico que descreve o período entre um cliente enviar uma solicitação para o Office 365 e o Office 365 responder à solicitação. Os testes se originam em seu domínio em um computador cliente e procuram medir uma viagem de ida e volta de dentro da sua rede, saindo por um ponto de saída, pela Internet até o Office 365 e o caminho de volta.

Há algumas maneiras de lidar com o ponto de saída, nesse caso, o servidor proxy. Você pode rastrear de 1 a 2 e, então de 2 a 3 e, em seguida, adicionar os números em milissegundos para obter um total final até a borda da sua rede. Ou você pode configurar a conexão para ignorar o proxy de endereços do Office 365. Em uma rede maior com um firewall, um proxy reverso ou alguma combinação dos dois, talvez seja necessário criar exceções no servidor proxy que permitirão a passagem do tráfego para muitas URLs. Para a lista de pontos de extremidade usados pelo Office 365, confira URLs e intervalos de endereços IP do Office 365. Se você tiver um proxy de autenticação, comece testando exceções para o seguinte:

  • Portas 80 e 443

  • TCP e HTTPs

  • Conexões de saída para qualquer uma destas URLs:

  • *.microsoftonline.com

  • *.microsoftonline-p.com

  • *.sharepoint.com

  • *.outlook.com

  • *.lync.com

  • osub.microsoft.com

Todos os usuários precisam ter permissão para acessar esses endereços sem interferência ou autenticação do proxy. Em uma rede menor, você deverá adicioná-los à sua lista de proxies ignoráveis em seu navegador da Web.

Para adicioná-los à sua lista de proxies ignoráveis no Internet Explorer, vá para Ferramentas > Opções da Internet > Conexões > Configurações da LAN > Avançado. A guia Avançado também é o local onde você encontrará seu servidor proxy e a porta do servidor proxy. Talvez seja necessário clicar na caixa de seleção Usar um servidor proxy para LAN, para acessar o botão Avançado. Lembre-se de garantir que Ignorar servidor proxy para endereços locais esteja marcado. Depois de clicar em Avançado, você verá uma caixa de texto onde poderá inserir exceções. Separe as URLs curinga listadas acima com ponto e vírgula, por exemplo:

*.microsoftonline.com; *.sharepoint.com

Depois de ignorar o proxy, você poderá usar o ping ou o PsPing diretamente em uma URL do Office 365. A próxima etapa será testar o ping outlook.office365.com. Ou se você estiver usando o PsPing ou outra ferramenta que permitirá que você forneça um número de porta ao comando PsPing contra portal.microsoftonline.com:443 para ver o tempo médio da viagem de ida e volta em milissegundos.

O tempo de viagem de ida e volta, ou RTT, é um valor numérico que mede o quanto demora para enviar uma solicitação HTTP para um servidor como outlook.office365.com e obter uma resposta de volta que reconheça que o servidor sabe o que você fez. Às vezes, você verá isso abreviado como RTT. Deve ser um tempo relativamente curto.

Você precisa usar o PsPing ou outra ferramenta que não use pacotes ICMP que sejam bloqueados pelo Office 365 para fazer esse teste.

Como usar o PsPing para obter um tempo de viagem de ida e volta geral em milissegundos diretamente de um URL do Office 365

  1. Execute um prompt de comando ao realizar estas etapas:

    1. Clique em Iniciar.

    2. Na caixa Iniciar Pesquisa, digite cmd e pressione CTRL+SHIFT+ENTER.

    3. Se a caixa de diálogo Controle de Conta de Usuário aparecer, confirme que a ação exibida é a desejada e, em seguida, clique em Continuar.

  2. Navegue até a pasta onde a ferramenta (neste caso, PsPing) está instalada e teste estas URLs do Office 365:

    • psping portal.office.com:443

    • psping microsoft-my.sharepoint.com:443

    • psping outlook.office365.com:443

    • psping www.yammer.com:443

      O comando PSPing acessa a porta 443 microsoft-my.sharepoint.com.

Inclua o número da porta 443. Lembre-se de que o Office 365 funciona em um canal criptografado. Se você executar o PsPing sem o número da porta, sua solicitação falhará. Depois de executar ping em sua lista curta, procure o tempo Médio em milissegundos (ms). Isso é o que você deseja registrar!

Gráfico que mostra uma ilustração do PSPing do cliente para o proxy com um tempo de ida e volta de 2,8 milissegundos.

Se você não souber ignorar o proxy e se preferir criar tudo passo a passo, primeiro será necessário descobrir o nome do seu servidor proxy. No Internet Explorer, vá para Ferramentas > Opções da Internet > Conexões > Configurações da LAN > Avançado. A guia Avançado é onde você verá seu servidor proxy listado. Execute o ping no servidor proxy em um prompt de comando concluindo esta tarefa:

Para executar ping no servidor proxy e obter um valor de viagem de ida e volta em milissegundos para o estágio 1 a 2

  1. Execute um prompt de comando ao realizar estas etapas:

    1. Clique em Iniciar.

    2. Na caixa Iniciar Pesquisa, digite cmd e pressione CTRL+SHIFT+ENTER.

    3. Se a caixa de diálogo Controle de Conta de Usuário aparecer, confirme que a ação exibida é a desejada e, em seguida, clique em Continuar.

  2. Digite ping <o nome do servidor proxy usado por seu navegador ou o endereço IP do servidor proxy> e então pressione ENTER. Se você tiver o PsPing, ou alguma outra ferramenta instalada, poderá optar por usar essa ferramenta.

    O comando pode parecer com qualquer um destes exemplos:

    • ping nossoproxy.nossodominio.setor.empresa.com

    • ping 155.55.121.55

    • ping nossoproxy

    • psping nossoproxy.nossodominio.setor.empresa.com:80

    • psping 155.55.121.55:80

    • psping nossoproxy:80

  3. Quando o rastreamento parar de enviar pacotes de teste, você obterá um pequeno resumo listando uma média em milissegundos e esse será o valor procurado. Faça uma captura de tela do prompt e salve-o usando sua convenção de nomenclatura. Neste ponto, também pode ser útil ajudar a preencher o diagrama com o valor.

Talvez você tenha feito o rastreamento cedo pela manhã e seu cliente possa chegar ao proxy (ou qualquer servidor de saída para a Internet) rapidamente. Nesse caso, seus números podem ter a seguinte aparência:

Gráfico que mostra um tempo de ida e volta de um cliente para um proxy de 2,8 milissegundos.

Se seu computador cliente for um dos poucos selecionados com acesso ao servidor proxy (ou de saída), você poderá executar a próxima etapa do teste ao se conectar remotamente ao computador, executar o PsPing no prompt de comando para uma URL do Office 365 a partir dali. Se você não tiver acesso a esse computador, poderá contatar seus recursos de rede e obter ajuda com a próxima etapa e obter os números exatos dessa forma. Se isso não for possível, execute um PsPing contra a URL do Office 365 em questão e compare-o ao tempo de PsPing ou de Ping em relação ao seu servidor proxy.

Por exemplo, se você obtiver 51,84 milissegundos do cliente para a URL do Office 365 e se obtiver 2,8 milissegundos do cliente para o proxy (ou o ponto de saída), então obterá 49,04 milissegundos da saída para o Office 365. Da mesma forma, se você tiver um PsPing 12,25 milissegundos do cliente para o proxy durante o ponto culminante do dia e 62,01 milissegundos do cliente para a URL do Office 365, então o valor médio da saída do proxy para a URL do Office 365 será de 49,76 milissegundos.

Elemento gráfico adicional que mostra o ping em milissegundos do cliente para o proxy ao lado do ping do cliente para Office 365, para que os valores possam ser subtraídos.

Em termos de solução de problemas, você pode encontrar algo interessante simplesmente mantendo essas linhas de base. Por exemplo, se você achar que geralmente tem cerca de 40 a 59 milissegundos de latência do ponto de proxy ou de saída para a URL do Office 365 e tem cliente com latência do ponto de proxy ou de saída de cerca de 3 a 7 milissegundos(dependendo do tráfego de rede visto durante aquele período do dia), então certamente saberá que algo está errado caso suas últimas linhas de base de proxy ou de saída do cliente mostrem uma latência de 45 milissegundos.

Métodos avançados

Se você realmente quer saber o que está acontecendo com suas solicitações de Internet para o Office 365, precisa se familiarizar com rastreamentos de rede. Não importa quais sejam as suas ferramentas preferidas para esses rastreamentos: HTTPWatch, Netmon, Analisador de Mensagem, Wireshark, Fiddler, ferramenta Painel do Desenvolvedor ou qualquer outra funcionará, desde que a ferramenta possa capturar e filtrar tráfego de rede. Você verá nesta seção que é útil executar mais de uma dessas ferramentas para obter uma visão mais completa do problema. Durante o teste, algumas dessas ferramentas também atuarão como proxies. As ferramentas utilizadas no artigo que acompanha este, Plano de solução de problemas para o Office 365 inclui o Netmon 3.4, o HTTPWatch ou o Wireshark.

Obter uma linha de base de desempenho é a parte simples deste método e várias das etapas são iguais às da solução de problemas de desempenho. Os métodos mais avançados da criação de linhas de base para o desempenho exige que você obtenha e armazene rastreamentos de rede. A maioria dos exemplos deste artigo usa o SharePoint Online, mas você deve desenvolver uma lista de ações comuns em serviços do Office 365 em que você se inscreve para testar e registrar. Este é um exemplo de linha de base:

  • Lista de linha de base para o SPO - Etapa 1: Navegue pela home page do site do SPO e execute um rastreamento de rede. Salve o rastreamento.

  • Lista de linha de base para o SPO - Etapa 2: Pesquise um termo (como o nome da sua empresa) por meio da Enterprise Search e execute um rastreamento de rede. Salve o rastreamento.

  • Lista de linha de base para o SPO - Etapa 3: Carregue um arquivo grande em uma biblioteca de documentos do SharePoint Online e execute um rastreamento de rede. Salve o rastreamento.

  • Lista de linha de base para o SPO - Etapa 4: Navegue pela home page do site do OneDrive e execute um rastreamento de rede. Salve o rastreamento.

Esta lista deve incluir as ações comuns mais importantes que os usuários executam no SharePoint Online. Observe que a última etapa, o rastreamento até o OneDrive for Business, cria uma comparação entre o carregamento da home page do SharePoint Online (que quase sempre é personalizada pelas empresas) e a home page do OneDrive para Business, que raramente é personalizada. Esse é um teste muito básico quando se trata de um site do SharePoint Online de carregamento lento. Você pode criar um registro dessa diferença em seus testes.

Se você estiver no meio de um problema de desempenho, muitas das etapas serão iguais às da obtenção de uma linha de base. Os rastreamentos de rede se tornam críticos e, portanto, lidaremos com a forma como obteremos os rastreamentos importantes seguintes.

Para lidar com um problema de desempenho imediatamente, você precisará estar fazendo um rastreamento no momento em que experimentar o problema de desempenho. É necessário ter as ferramentas adequadas disponíveis para capturar logs e é necessário ter um plano de ação, ou seja, uma lista de ações de solução de problemas que você pode realizar para coletar as melhores informações possíveis. A primeira coisa a fazer é registrar a data e hora do teste para que os arquivos possam ser salvos em uma pasta que reflita o intervalo. Em seguida, restrinja às próprias etapas do problema. Essas são as etapas exatas que você usará para o teste. Não se esqueça do básico: se o problema só ocorrer no Outlook, registre que o comportamento problemático acontece somente em um serviço do Office 365. Limitar o escopo desse problema ajudará você a se concentrar em algo que você pode resolver.

Consulte Também

Gerenciamento de pontos de extremidade do Office 365

Expanda suas habilidades
Explore o treinamento
Obtenha novos recursos primeiro
Ingressar no Office Insider

Essas informações foram úteis?

Obrigado por seus comentários!

Agradecemos pelos seus comentários! Parece que pode ser útil conectar você a um de nossos agentes de suporte do Office.

×